17 de mar de 2012

A Psicoterapia Reencarnacionista

Por :: Mauro Kwitko :: 

A Psicoterapia Reencarnacionista nasceu com a finalidade de trazer à Psicologia e à Psiquiatria uma possibilidade infinita de expansão. A Reencarnação e a atuação dos Espíritos obsessores é agregada aos conceitos psicológicos e psiquiátricos, criando uma nova maneira de encarar os conflitos de todos nós e as doenças mentais. Com a Reencarnação, a infância deixa de ser considerada o início da vida e passa a ser vista como a continuação de nossa vida eterna; a nossa família não é mais um conjunto de pessoas que uniram-se ao acaso por laços afetivos e, sim, um agrupamento de Espíritos unidos por laços kármicos; as situações que vamos encontrando no decorrer da vida não são aleatórias e, sim, reflexos, conseqüências, decorrências de nossos atos passados, necessidades para nosso projeto evolutivo espiritual. 

A Psicologia atual enxerga nossa vida apenas desde a infância e, por isso, limita seu campo de ação a uma fração mínima da nossa existência. Trabalha com um conceito equivocado que é a Formação da Personalidade, pois afirma que não existíamos antes. A psicoterapia Reencarnacionista trabalha com a Personalidade Congênita. 
Agregando a Reencarnação à Psicologia cria-se uma nova Psicologia, baseada na nossa vida eterna, na nossa busca de evolução espiritual, de purificação. Não somos mais pessoas, somos Espíritos encarnados; não somos homens e mulheres, somos Espíritos em corpos masculinos e femininos; não somos brancos ou negros, somos Espíritos em cascas de cor diferente; não somos brasileiros, argentinos, americanos, iraquianos, somos Espíritos que encarnaram, dessa vez, nesses países. A Reencarnação, além da capacidade de expandir a Psicologia para o infinito, tem o potencial de eliminar o racismo, os preconceitos e a violência da face da Terra. 




 REGRESSÃO TERAPÊUTICA
Muito se tem falado, hoje em dia, sobre esse novo método terapêutico, baseado na busca do desligamento de uma pessoa de fatos traumáticos do seu passado, que ainda estejam lhe afetando, trazendo os sintomas das fobias, do transtorno do pânico, as depressões refratárias, dores sem solução, etc. 
Existe porém a Lei do Esquecimento que não pode ser ignorada, pois é uma circunstância do Espírito reencarnado que, se reencarnasse sabendo do seu passado, certamente não agüentaria o peso dessa memória, seja em relação ao que fez como também ao que lhe foi feito em outras épocas. Mas a Terapia de Regressão é uma técnica incentivada pelo Mundo Espiritual e isso - que pode parecer uma contradição - pode ser conciliado desde que seja observada a ética em relação ao Esquecimento. A regressão realizada pelo Guia Espiritual do paciente e não pelo terapeuta é uma regressão ética realizada por nós da Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista (www.abpr.org). É de fundamental importância que a Regressão seja realizada de uma maneira ética, sem que o terapeuta infrinja as leis karmáticas.
A Terapia de Regressão não deve nunca ser colocada a serviço da curiosidade e também não devemos infringir a Lei do Esquecimento fazendo a regressão, dirigindo o processo, ajudando o paciente a saber coisas como Quem eu fui em outras vidas?, Quem eu e minha ex-esposa fomos?, Por quê meu filho me odeia?, etc., e, sim, permitir que o Guia Espiritual da pessoa, dentro do merecimento da pessoa, lhe mostre e possibilite seu acesso ao que pode ver e acessar. 
Concordo com pessoas do movimento espírita que opõem-se à Terapia de Regressão, pois realmente existem terapeutas realizando regressão sem cuidar da ética, conduzindo o processo, dirigindo a sessão, fazendo com que o paciente veja coisas que não poderia ver, acessar fatos que não poderia acessar e até reconhecer pessoas lá com as quais convive hoje. Isso é errado e perigoso.
A regressão tem uma ação terapêutica potencial que é poder desligar a pessoa de situações traumáticas de uma ou mais encarnações passadas, às quais está ligada como se ainda estivesse lá, mas tudo está dentro do merecimento e quem sabe se a pessoa já merece libertar-se de uma situação traumática do seu passado é o seu Guia Espiritual e não o terapeuta. 
Alguns terapeutas de regressão fazem o paciente reviver apenas até o final do trauma do passado, mas isso, na minha opinião, pode ser uma regressão incompleta, pois onde termina a regressão, fica a sintonia, e se ele, após o trauma, ainda não ficou bem? Regressão é uma rememoração do momento traumático do passado no qual a pessoa ainda ficou sintonizada, com a intenção de ajudá-la a libertar-se daquela sensação. O ideal é levar a rememoração até a morte, o desencarne e a subida para o Plano Astral, até a pessoa mostrar que já está sentindo-se bem, que desapareceram todos os sintomas da vida que reviveu.
Estamos seguindo os passos do Dr. Freud, que descobriu esse mundo escondido, mas por sua limitação - e dos seus seguidores - isso ficou restrito apenas a uma encarnação, que equivocadamente chamam de vida. Nós estamos indo Inconsciente adentro! E o que encontramos? A Reencarnação.
                                                                                                                   
                                                                                                            
Mauro Kwitko é Médico, Psicoterapeuta, autor de 5 livros e 
Presidente da Sociedade de Psicoterapia Reencarnacionista. 

Visite seu Site